Consumo de não-tecidos industriais cresce até 2029

O mercado deverá crescer mais de 8% nos próximos anos, atingindo já mais de 21 mil milhões de dólares em 2024, com foco em áreas como filtros, geotêxteis, calçado, correias de transporte, compósitos e toalhetes industriais.

[©Smithers]

O consumo mundial de não-tecidos industriais será de 5,3 milhões de toneladas ou 83,4 mil milhões de metros quadrados em 2024, avaliado em 21,2 mil milhões de dólares, de acordo com o estudo The Future of Industrial Nonwovens to 2029 da Smithers.

As taxas de crescimento para 2019 a 2023 foram de 6,9% em volume e 6,7% em valor, refletindo uma recuperação em alguns mercados desde a covid-19, bem como um ajustamento à invasão russa da Ucrânia em 2022 e respetivas repercussões, nomeadamente inflação, oferta e preço da energia e abrandamento do crescimento económico mundial. Outros fatores externos que afetam os não-tecidos industriais incluem o abrandamento do crescimento económico da China, a expansão excessiva em muitos produtos não-tecidos e as questões geopolíticas em curso no Médio Oriente, que estão a afetar o transporte marítimo no Mar Vermelho.

As taxas de crescimento para 2024 a 2029 estão projetadas em 7,3% em toneladas, 8% em metros quadrados e 8,2% em valor – previsões que têm em conta uma recuperação económica mundial até 2029.

O estudo tem em conta quase 20 mercados independentes de utilização final definidos como não-tecidos industriais e, segundo a Smithers, esta diversificação protege o mercado global de certos problemas.

Quando os consumidores não compram veículos novos, os governos apoiam a construção de estradas e pontes e quando o mercado imobiliário residencial abranda, o mercado não residencial pode aumentar. Isso manteve o crescimento dos não-tecidos industriais, mesmo em períodos de baixo crescimento económico, refere. As projeções para 2024 são de que este período de crescimento lento terminará em 2029 (talvez já em 2025) e o mercado geral de não-tecidos industriais será beneficiado – os últimos quatro a cinco anos causaram alguma desaceleração, por exemplo, no crescimento do mercado de toalhetes húmidos industriais.

Os principais usos finais para não-tecidos industriais são na construção civil, geotêxteis/agricultura, filtração, indústria automóvel e substratos de revestimento. Alguns dos usos finais de crescimento mais rápido são em filtração, geotêxteis, calçado, correias de transporte, compósitos e toalhitas industriais.