Constelação de estrelas no Rio

Com 6 dias intensos em desfiles, a Rio Fashion Week apresentarÁ 46 colecções Outono-Inverno 2008/2009 de importantes marcas internacionais e brasileiras. O palco dos desfiles serÁ um cenÁrio tipicamente carioca e com as cores do verão brasileiro, o lugar escolhido é a Marina da Glória frente ao internacionalmente conhecido Pão de Açúcar. Além do tradicional e apelativo glamour dos grandes eventos de moda que atraem o interesse da imprensa, das celebridades e do público em geral, a Semana da Moda do Rio acolherÁ este ano um evento paralelo intitulado “Fashion Business”. O evento especial dedicado aos negócios, iniciar-se-Á hoje e prolongar-se-Á até ao dia 11 de Janeiro, juntando no mesmo espaço representantes de 150 redes de retalho, 35 compradores internacionais e 80 expositores da fileira têxtil e do vestuÁrio brasileira. Segundo a organização do evento, foram investidos cerca de 4 milhões de dólares na sua organização esperando-se que esta iniciativa gere um volume de negócios de cerca de 212 milhões de dólares. A maioria dos 100 manequins presentes no Fashion Rio deste ano serÁ “prata da casa”, isto é, top models brasileiros. Tendo em conta a natureza do evento e o facto do Brasil ser um dos principais “fornecedores” de estrelas do mundo da moda, a selecção permitirÁ que desfilem modelos de sucesso internacional indiscutível. Entre os nomes mais conhecidos encontram-se as conceituadas modelos Fernanda Motta, Claudia Seiller, Bruna Tenório, Michelle Alves e Camilla Finn, figuras de campanhas internacionais de marcas como a Versace, Prada, Moschino, Valentino, Dior e Calvin Klein. A “cereja no cimo do bolo” serÁ a incontornÁvel Gisele Bundchen, a modelo mais bem paga do mundo, que cobrarÁ cerca de 600 mil dólares para desfilar para a marca Colcci. O evento contarÁ também com a participação de marcas de moda e empresas da fileira moda de menor dimensão, entre as quais se poderão encontrar também algumas organizações não governamentais associadas às favelas cariocas. Por outro lado, as colecções a apresentar este ano estarão mais adaptadas ao Inverno dos trópicos pelo que serão excluídas peças de vestuÁrio como casacos que abusam da lã e de outros tecidos “mais quentes”.