conquista do sonho Americano

Entretanto antes da partida para as Américas a 28 de Março, o Fórum Têxteis do Futuro (FTF) passa, entre os dias 7 e 8, pelo Edifício da Alfândega, no coração do Porto, para festejar a sua 9ª edição. Esta mudança de cenário marca o início de uma nova era que será pautada por mais duas iniciativas: um concurso de âmbito nacional e um simpósio de nível internacional. «Há um número assinalável de empresas produtoras de Equipamentos de Protecção Individual (EPI) que expõem no Fórum. Mas há um grande desconhecimento no mercado nacional sobre o que são EPI, o que é a marcação CE, quem tem obrigações, como são identificados, que tipo de EPI deve ser usado, etc. Por isso, decidimos lançar ainda durante o corrente ano um concurso de design para EPI, com entrega de prémios em 2007 e a possibilidade de integrar o desfile do Salão Modtissimo», explica Fernando Merino, que tem dinamizado bastante este Fórum. «Quanto ao simpósio, facilitador da oferta e da procura de tecnologia e de conhecimento por parte das empresas e a realizar em 2007, será dirigido a todos os interessados em orientar os seus negócios para o domínio da utilização de têxteis de alta performance, com um público-alvo caracterizado por gestores de topo e técnicos responsáveis pelo desenvolvimento de produto e estratégias de marketing». O Fórum Têxteis do Futuro é uma iniciativa da parceria Citeve/Associação Selectiva Moda que visa promover o encontro entre a oferta e a procura de têxteis técnicos e funcionais, procurando abranger um grande número de áreas de aplicação e diferentes públicos alvo assim como atrair um maior número de interessados com competências diversificadas. «Criar condições para o debate de ideias com novos criadores, empreendedores, entidades do Sistema Científico e Tecnológico e os tomadores de produtos. Criar no público em geral a imagem de uma ITV nacional inovadora e tecnologicamente avançada e ainda passar a mensagem do grande potencial de progressão no mercado para os têxteis técnicos e funcionais», declara o director do departamento dos Têxteis do Futuro do Citeve. «Estes têm sido os desafios do FTF desde 2002». O FTF está configurado em 5 grandes módulos (exposição, show, workshop, informação e concurso) que decorrem 2 vezes por ano, durante o Salão Modtissimo, e por 2 módulos (simpósio e internacionalização), que têm lugar em diferentes momentos ao longo dos 2 anos que constituem o novo ciclo deste certame que muito tem contribuído para mudar o olhar que o grande público tem sobre o sector têxtil e do vestuário. Exposição Incide sobre as propostas de inovação do Citeve e de outras instituições, com componentes de informação técnica específica para debate e demonstração. Ao longo destes 3 anos, o Citeve tem privilegiado os desenvolvimentos nas áreas do vestuário, saúde, automóvel e habitat, que constituem basicamente as suas 4 grandes áreas de aposta. Na 9ª edição, o destaque vai para as áreas do automóvel, saúde e vestuário. Na área do automóvel serão apresentados projectos como o INOCOP (partilha e gestão do conhecimento em comunidades de prática do cluster automóvel) e SIMETRIA (que procura identificar as oportunidades de cooperação entre as regiões do centro de Portugal e da região espanhola de Castela e Leão). Em relação à área da saúde, o destaque vai para um dos prémios da última Techtextil/Avantex, o Wealthy, um projecto elaborado por um consórcio europeu que resultou num produto que permite controlar os sinais vitais de um indivíduo. Quanto ao vestuário, serão apresentadas 3 propostas para desportos radicais e lazer. As empresas que se posicionam no domínio dos têxteis técnicos e funcionais, com propostas já no mercado, podem associar-se a esta iniciativa através de um stand próprio, na área do FTF, para exposição dos seus produtos e estabelecimento de contactos comerciais. Actualmente, o convite para expositores está a ser alargado a uma comunidade mais vasta, como as instituições nacionais de I&D que estão a trabalhar no domínio das aplicações técnicas e funcionais com têxteis e ainda os arquitectos, designers industriais e designers de moda, com grande apetência pelo tipo de inovação que preconizamos para o FTF. Para a edição de Março estão já inscritas 20 empresas, entre as quais estreantes como a Micropólis e o INEGI. «Pretende-se desta forma aproveitar sinergias existentes que contribuam para uma maior participação efectiva em processos de inovação. Por este motivo continuamos a apostar na parceria com a feira Techtextil/Avantex», sustenta Fernando Merino. Show Surge como módulo de demonstração de produtos âncora dos expositores do Fórum Têxteis do Futuro, integrando os habituais Desfiles do Salão Modtissimo. Workshop Decorre em sessões paralelas, com o objectivo de enriquecer o Fórum com conteúdos técnicos de carácter prático, orientados para o mercado. Para a edição de Março, haverá 2 iniciativas neste âmbito que contará com um painel de oradores especialistas no domínio dos têxteis técnicos e funcionais, tais como Guy Kitteringham, editor da conceituada revista Technical Textiles International, e Michael Janecke, director da Techtextil/Avantex. Informação Ao longo das diferentes edições, o Citeve tem procurado disponibilizar conteúdos sobre temas como a vigilância tecnológica, valorização de recursos humanos, regulamentação, inovação e propriedade industrial. Em particular, na edição de Setembro de 2004, foi lançado o 1º Directório de Têxteis Técnicos e Funcionais, documento de que o STV ainda carecia e que está a contribuir para dar a conhecer as capacidades das empresas nacionais que já se posicionam neste domínio. Na próxima edição do Fórum será lançado o 2º Directório. Internacionalização Contemplou em 2005 a participação de 11 empresas nacionais no maior palco mundial da especialidade – a Techtextil/Avantex, em Frankfurt. Hoje, está já na estrada a preparação de uma participação nacional na Techtextil North América, em Atlanta, que constitui o segundo mais importante certame da Messe Frankfurt neste âmbito. Este pavilhão português em terras do Tio Sam inclui 6 empresas nacionais (António de Almeida & Filhos, Micropólis, Sidónios Malhas, Segurvest, Coltec e Fisipe), para além do Citeve. Para 2007, está já agendado o regresso a Frankfurt para a consolidação desta estratégia. «A Techtextil 2006 em Atlanta, nos EUA, é o segundo passo de internacionalização do FTF. A escolha dos EUA tem muito a ver com o facto de o mercado americano, e em particular o dos EUA, estar actualmente a consumire a crescer mais do que mercado europeu e de se esperar que isso possa acontecer pelo menos até 2010.Os têxteis técnicos para protecção e aplicações industriais, por exemplo, deverão ter em todo o continente americano taxas decrescimento anual de cerca de 6% até essa altura e por isso o momento é muito oportuno para as empresas que se associaram a esta iniciativa», conclui Fernando Merino.