China principal fornecedor de vestuário da França

Com a abolição das restantes quotas da UE no início deste ano, as importações francesas oriundas da China aumentaram 43 por cento, comparativamente ao aumento de 6 por cento do total de importações de vestuário francesas no valor de 7,3 milhões de euros. Em 2005, quase 23 por cento de todas as importações francesas neste segmento tinham origem na China, colocando um fim aos anos de domínio da Itália (actualmente terceiro fornecedor com uma fatia de 9 por cento), seguida pela Tunísia (10 por cento), país que também perdeu “terreno” para a China. Vários países exportadores asiáticos, tais como o Sri Lanka, Bangladesh, Indonésia, Vietname, Cambodja e Macau também foram afectados pelo poderoso concorrente. A excepção, notável, à regra é a Índia que assistiu a um aumento das suas exportações para a França de 29 por cento, enquanto o Paquistão e a Tailândia registram subidas pouco significativas. Marrocos, o quarto fornecedor da França, também foi prejudicado pela China, tais como exportadores da Europa de Leste, incluindo a Roménia, Polónia e Hungria, tendo no entanto a Bulgária e a Ucrânia obtido resultados mais positivos. A Turquia foi o exemplo máximo de resistência à tendência de queda, uma vez que as suas exportações de vestuário para a França aumentaram 23 por cento, tornando-se assim no sétimo fornecedor, logo atrás da Índia.