Bangladesh aposta no vestuário com fibras sintéticas e artificiais

No seguimento de um estudo da PwC que prevê o crescimento do mercado de pronto-a-vestir com este tipo de fibras, a indústria de vestuário do Bangladesh assume como estratégia capitalizar este potencial.

[©BGMEA]

Comissionado pela Associação de Produtores e Exportadores de Vestuário do Bangladesh (BGMEA) e produzido pela PwC, o estudo prevê que as exportações mundiais de vestuário aumentem para 1,12 biliões de dólares até 2030, um aumento substancial face aos 953 mil milhões de dólares registados em 2022.

A PwC antecipa um aumento significativo nas exportações de vestuário feito com fibras sintéticas ou artificiais, com as projeções a apontarem para um crescimento de 60% até 2030, o que terá implicações também na produção de matérias-primas – com o crescimento das fibras sintéticas ou artificiais, poderá haver um declínio na procura de algodão, que afetará os países produtores como o Bangladesh.

[©BGMEA]
O documento, designado “From Shirts to Shores: Blueprint for Bangladesh RMG Industry”, foi apresentado numa conferência de imprensa na sede da BGMEA e sublinha que a indústria do país tem de desenvolver o ecossistema necessário para aumentar a competitividade na fabricação de certos produtos e salienta a importância de posicionar a região como fornecedora de produtos de valor acrescentado à base de fibras sintéticas ou artificiais para a UE, os EUA e o Reino Unido, ao mesmo tempo que continua a penetrar em novos mercados, incluindo o Japão e a Coreia do Sul.

«O estudo oferece informação vital e recomendações praticáveis pensadas para criar um futuro mais próspero para o sector do vestuário do Bangladesh», destacou, na apresentação, Faruque Hassan, presidente da BGMEA.

Para o crescimento da indústria têxtil e de vestuário do Bangladesh, o estudo recomenda estratégias para áreas críticas como diversificação de produto, automatização, digitalização, tecnologias eficientes em termos de recursos, circularidade e acesso facilitado a financiamento para impulsionar a sustentabilidade.

«As estratégias delineadas no relatório servirão como diretrizes para navegarmos pelos desafios e capitalizarmos as oportunidades, o que nos ajudará a competir no mercado global. Instamos todos os stakeholders a colaborar na implementação das recomendações descritas no relatório», concluiu Faruque Hassan.