Baixa nas exportações de calçado

A indústria portuguesa de calçado viu as suas exportações decrescerem 6,6% nos primeiros dois meses deste ano, o que totalizou cerca de 279,338 milhões de euros. As empresas do sector do calçado culpam em parte a conjuntura económica que se vivia no país no primeiro trimestre, que também não favoreceu em nada a produção, que foi a mais baixa dos últimos quatro anos. Segundo uma análise feita pela Universidade Católica do Porto, o baixo número de encomendas não correspondeu ao crescimento que o sector anunciou no trimestre anterior. Para cerca de 60% das empresas, a produção manteve-se inalterada. Durante este trimestre ocorreu uma ligeira subida de preços que se deveu principalmente ao aumento dos preços das matérias primas. Neste mesmo estudo feito pela Universidade Católica, cerca de 16% das empresas queixaram-se de dificuldades decorrentes da legislação laboral e nem tanto da insuficiência de mão-de-obra. De 16% no trimestre anterior passaram para 23% a percentagem de empresas que mencionam o preço das matérias como entrave ao aumento da produção. Tendo em conta estas estatísticas, não é de estranhar que, no que respeita à carteira de encomendas, a evolução tenha sido negativa, pois 35% das empresas afirmaram que o número de encomendas diminuiu e 54% afirmaram que se mantiveram estáveis. A incerteza é a palavra de ordem entre as empresas do sector do calçado, no que respeita ao próximo trimestre.