Austrália incentiva ITVC

O orçamento australiano, divulgado no mês passado pelo governo trabalhista de Kevin Rudd, promete apoiar os sectores têxtil, vestuário e calçado, tornando-os mais fortes e sustentáveis, ajudando no desenvolvimento de novos produtos e processos, especialmente no mercado de alta tecnologia e valor acrescentado. O governo será o motor da inovação e renovação destes sectores, investindo 401 milhões de dólares durante os próximos 5 a 6 anos. As notícias desta injecção financeira têm sido bem recebidas pela maioria dos profissionais da indústria. O pacote foi concebido para suportar os grossistas e os fabricantes até 2015, ano em que as actuais tarifas gerais de 17,5% para o vestuário e têxteis acabados e de 10% para o calçado devem ser reduzidas para 5%. Juntamente com os grandes nomes da indústria, os pequenos empresários também serão grandes beneficiários, na medida em que está prevista a manutenção do actual programa de financiamento para as pequenas empresas, juntamente com um aumento das reduções fiscais e do financiamento para empresas on-line. No entanto, oito meses após Roy Green lançar o relatório sobre os sectores têxtil, vestuário e calçado do país, os montantes previstos no orçamento australiano ficam aquém do que foi recomendado. Green tinha apelado para um pacote de assistência à inovação de 250 milhões de dólares, aplicados durante um período de seis anos, além de um programa de 200 milhões de dólares, destinado à capacidade de inovação na liderança, previsto até à eliminação das tarifas em 2015. Inevitavelmente, o pacote oferecido pelo governo australiano tem os seus críticos. O sindicato que representa os sectores têxtil, vestuário e calçado tem acusado o governo de gastar mais dinheiro na renovação da indústria do que em garantir o seu futuro. «A fim de prosperar como devia, a indústria precisa de 184 milhões de dólares por ano e esta assistência deve prosseguir até pelo menos 2020», defende Michele O’Neil, o secretário nacional do Textile, Clothing & Footwear Union of Australia. Os três sectores empregam mais de 45.000 australianos e sustentam economias regionais em todo o país. De acordo com o pacote, o governo australiano planeia: i. Introduzir um novo programa de 30 milhões de dólares para apoiar grandes projectos destinados a aumentar a capacidade de inovação e o desempenho das empresas; ii. Desenvolver um programa de 25 milhões de dólares, destinado à capacidade de inovação no vestuário e têxteis-lar; iii. Estabelecer um concelho de inovação para os sectores têxtil, vestuário e calçado, juntando empresas, sindicatos, investigadores e governo para defender a inovação nos sectores e fornecer aconselhamento estratégico; iv. Formar uma rede nacional de inovação para apoiar a colaboração entre empresas e entre a indústria, investigadores e instituições de ensino; v. Manter o Small Business Program, destinado aos sectores têxtil, vestuário e calçado, para melhorar a cultura empresarial; vi. Nomear o concelho de inovação das indústrias para fornecer informações mais pormenorizadas sobre a introdução de uma marca voluntária de qualidade ética, padrões voluntários de tamanhos para o vestuário e o calçado, e uma base de dados antropométricos nacional; vii. Continuar com as reduções tarifárias nos sectores têxtil, vestuário e calçado, já consagradas na legislação. Após a revisão dos sectores têxtil, vestuário e calçado, Green concluiu que a indústria tem um futuro promissor, mas apenas se os seus produtos forem diferenciados pela originalidade, qualidade e design, e mantiverem a ênfase na responsabilidade social corporativa.