As 100 Maiores da ITV Nacional

De acordo com o ranking das maiores empresas da Indústria Têxtil e do Vestuário (ITV) elaborado pelo Observatório Têxtil do CENESTAP das 100 empresas presentes, 58 registaram um aumento do volume de negócios quando comparado com o ano anterior, face a uma redução registada por 42 empresas. De facto, numa altura em que o volume de negócios da ITV nacional cai pelo terceiro ano consecutivo as 100 maiores empresas nacionais da ITV apresentam uma evolução mais favorável. Em 2004 o volume de negócios agregado ascendeu a 2.188,7 milhões de euros correspondendo a um ligeiro aumento (0,22%) face ao ano anterio,r que compara com a queda de 5,4% média da ITV. Esta análise tem por base diferentes fontes de informação ( «Público», «Diário de Notícias», «Jornal de Notícias», «Exame», «Diário Económico», «Expresso» e «Coface mope»), assim como dados fornecidos pelas próprias empresas. Tem por objectivo completar as análises de ranking classificando as 100 maiores empresas em indicadores como a produtividade do trabalho, crescimento do volume de negócios, rentabilidade das vendas e do capital próprio e autonomia financeira. À semelhança de 2003, em 2004 o ranking das empresas com maior volume de negócios é liderado pela empresa produtora de componentes para automóveis, a Coindu. Com um volume de negócios de 97,8 milhões de euros esta empresa especializada no fornecimento de capas em couro natural e tecido para assentos e acessórios assume o pódio apesar de ter registado uma significativa queda face ao ano anterior (11,27%). A queda do volume de negócios de 2004 veio pôr termo a um período de fortes taxas de crescimento (25% em 2003 e 37% em 2002). Destacam-se entre as empresas com maior volume de negócios duas empresas produtoras de artigos têxteis para o lar, a Lameirinho com um aumento 17,33% do volume de negócios para os actuais 93,2 milhões de euros e a António Almeida e Filhos que integra pelo primeiro ano a lista das 10 maiores empresas com um crescimento de 12,52% para os 46,57 milhões de euros. A análise dos rácios de rentabilidade demonstra que algumas empresas estavam preparadas para enfrentar os desafios colocados para este ano. Distinguindo-se pelo terceiro ano consecutivo, a Irmãos Vila Nova que, para além de subir duas posições no ranking geral, colocou-se entre as empresas com maior rentabilidade das vendas e dos capitais próprios. Esteve também em destaque a NGS Malhas, especializada em malhas elásticas e delicadas, considerada a melhor PME do sector do Vestuário e do Couro pela revista Exame. De facto, a empresa de Braga registou a terceira maior taxa de crescimento do volume de negócios (51,1%) da ITV, salientando-se também entre as empresas com maior rentabilidade dos capitais próprios. De referir que a estrutura “leve” (15 trabalhadores) permitiu que a empresa tenha registado a taxa de produtividade mais elevada do sector. FDG – Fiação da Graça é o novo nome da antiga Graçafil, foi uma das empresas com maior crescimento do volume de negócios (80,0%), colocando-se entre as empresas com maior rentabilidade das vendas, sendo a empresa da ITV em maior rentabilidade dos capitais investidos (67,0%). Por fim, o ranking das maiores empresas da ITV em 2004 distinguiu ainda duas empresas do vestuário, a Calvelex – Indústria de Confecções, S.A. e a Pimba – Importação, Exportação de Vestuário, Lda, ambas com um desempenhos positivos evidentes ao nível do crescimento do volume de negócios e da rentabilidade dos capitais próprios. Esta análise está disponível no PortugalTextil.com