Artefita vence novos desafios

No momento em que a certificação representa uma efectiva mais-valia paraa sustentabilidade de uma empresa (ver notícia PT), a Artefita vê finalmente concluído o seu processo de certificação ISO 9001:2000, atestando que adoptou, opera e melhora continuamente o seu Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ). «Esta formalização está repleta de significado estratégico», afirma Gonzaga Oliveira, gestor da empresa. «A implementação do SGQ foi encarada desde o início não como um mero objectivo de reconhecimento externo mas, principalmente, como uma ferramenta decisiva e estruturante do percurso pretendido para o futuro da organização que, de acordo com a sua Carta de Valores, se pretende alicerçado numa visão global do mercado e orientado para a satisfação permanente dos seus clientes. Para além disso, este momento assume ainda importância para os colaboradores internos da organização, que o encaram como o corolário dum trabalho específico de vários meses e que deles exigiu doses crescentes de consciencialização, capacidade de envolvimento e qualidade de desempenho». Num mercado cada vez mais global e mais concorrencial, cada empresa tem que conseguir melhorar permanentemente a sua capacidade de resposta perante as exigências crescentes dos clientes. Só assim é possível existir no presente e projectar-se no futuro. «Vemos a nossa organização como um todo único constituído por processos que se interrelacionam e actuam para atingir o objectivo comum: a satisfação dos nossos clientes. Cada cliente é único e o mais importante», sustenta o gestor da Artefita. «Reconhecemos também, todavia, o valor fundamental que os nossos fornecedores possuem na obtenção dessa satisfação do cliente, pois deles em grande parte depende a qualidade do produto, a competitividade dos preços e o cumprimento dos prazos de entrega». Especialista no sector das passamanarias, a Artefita integra a cadeia de fornecimento de vários sectores da indústria, fornecendo os seus produtos a empresas que os utilizam na composição dos seus próprios produtos, mas também vendendo a armazenistas e directamente a retalhistas. Com uma vasta gama de produtos, onde se inclui todo o tipo de fitas tecidas – rígidas e elásticas – anti-derrapantes, anti-UV, aromáticas, reflectoras, fosforescentes, impermeáveis, retardantes de chama e estampadas, e ainda cintas de elevação e barras de travamento para transportes de mercadorias (sob a sua marca própria Knot), a empresa pode assim oferecer um conjunto base de produtos que responde a uma grande diversidade de aplicações, passíveis de integração em todos os produtos de utilização industrial ou individual, desde o automóvel até à filtração, passando pelas áreas da protecção e segurança pessoal, desporto e medicina, entre outras. Criada em 1995, a Artefita sempre procurou ao longo desta década solidificar os dois pilares que, a seu ver, suportam a actividade industrial: os recursos humanos – com especial ênfase na sua qualificação e formação contínua – e o parque tecnológico, que tem sido continuamente melhorado de forma a responder eficazmente às necessidades qualitativas e quantitativas do mercado. Actualmente, os seus processos produtivos incluem a extrusão dos filamentos, torção, costura, tingimento, acabamentos e estampagem, com um amplo leque de materiais. «A evolução do mercado e as suas constantes exigências obrigaram à busca de novas matérias-primas para a produção de fitas com as mais variadas especificações técnicas: a hegemonia do polipropileno acabou e a montante surgiu o poliéster, a poliamida, a fibra de vidro e as aramidas», revela Gonzaga Oliveira. Dez anos depois, a empresa assume um posicionamento global. «O ano de 2005 ficará registado na história da Artefita como um ano simbólico não só por representar a passagem de uma década de vida, mas por ser o ano da internacionalização da empresa, que participou, pela primeira vez, em feiras tão conceituadas como a Techtextil/Avantex na Alemanha, a Baltic Textile na Lituânia e a Elmia Subcontratctor na Suécia», conclui o gestor da Artefita.