Ano recorde na Hugo Boss

A empresa aumentou em 15% as vendas no ano fiscal de 2023, para 4.197 milhões de euros, o que representa o maior valor de sempre e a coloca bem posicionada para atingir a meta dos 5 mil milhões de euros em 2025.

[©Hugo Boss]

O recorde espelha também os bons resultados conseguidos na reta final do ano, sublinha a Hugo Boss em comunicado. No quarto trimestre de 2023, as vendas subiram 13% a câmbios ajustados face a igual período do ano anterior, o que significou um aumento de 10% a câmbios atuais, para 1.177 milhões de euros, o que, sublinha, «torna o último trimestre de 2023 no mais bem-sucedido da história da Hugo Boss» neste critério.

As vendas a câmbios ajustados da BOSS Menswear cresceram 13%, enquanto as da BOSS Womenswear e da HUGO somaram mais 14%.

Em termos geográficos, o volume de negócios na Europa, Médio Oriente e África subiram 7% «face a uma base de comparação particularmente forte», com vendas sólidas em mercados como a Alemanha e França. Nas Américas, a Hugo Boss manteve uma boa performance, com uma subida de 18% das vendas nos últimos três meses, graças a um crescimento a dois dígitos no mercado dos EUA. Já na Ásia-Pacífico, o aumento foi de 33%, com a China a crescer a dois dígitos.

Em termos anuais, os números preliminares apontam para um crescimento de 15% a câmbios atuais do volume de negócios, para 4.197 milhões de euros, ficando no intervalo antecipado pela Hugo Boss de um crescimento entre 12% e 15%, para valores entre os 4,1 mil milhões de euros e 4,2 mil milhões de euros.

Uma performance que a empresa atribui à «execução rigorosa» da estratégia Claim 5, o que a posiciona num segmento de vestuário premium. «Com isso, a empresa conseguiu mais quota de mercado e excedeu o seu objetivo inicial de atingir vendas de 4 mil milhões de euros em 2025 dois anos antes do planeado». A meta para 2025 é agora gerar vendas de 5 mil milhões de euros e um lucro antes de juros e impostos (Ebit) de pelo menos 600 milhões de euros (em 2023 terá sido de 410 milhões de euros).

«Fechámos 2023 em alta, fazendo dele um ano recorde para a Hugo Boss», destaca Daniel Grieder, CEO da Hugo Boss. «As melhorias a dois dígitos no importante último trimestre são ainda mais impressionantes tendo em conta o presente cenário no mercado mundial. Com o atual forte dinamismo de marca e a execução com sucesso da nossa estratégia Claim 5, criámos uma fundação robusta para continuar a nossa trajetória de ganhar quota de mercado e fazer mais progressos para nos tornarmos numa das 100 maiores marcas mundiais», conclui.