Ano positivo na H&M

Embora registando um crescimento de 22,5%, o gigante sueco Hennes&Mauritz revelou resultados brutos abaixo das expectativas dos analistas, divulgando igualmente que as vendas comparÁveis de Dezembro caíram 1%. O grupo sueco, especialista em vestuÁrio de moda a preços reduzidos, fixou no seu quarto trimestre (de 1 de Setembro a 30 de Novembro) um lucro de 4,65 mil milhões de coroas suecas (493,3 milhões de euros), o que equivale a um aumento de 22,5% em relação aos 3,799 mil milhões de coroas suecas do quarto trimestre de 2006. A H&M apresentou resultados ilíquidos de 6,2 mil milhões de coroas suecas (cerca de 660 milhões de euros) no trimestre, contra as previsões médias dos analistas contactados pela Reuters de 6,6 mil milhões de coroas suecas e de 5,4 mil milhões de coroas suecas no mesmo período do ano anterior. O ano financeiro caracterizou-se por um bom desenvolvimento das vendas com as colecções a serem bem recebidas», divulgou a empresa em comunicado. Isto aplica-se igualmente a países onde o sector do retalho em geral tem sido mais fraco. Agrada especialmente o forte desenvolvimento das vendas na Alemanha, o maior mercado da H&M». Os resultados ilíquidos foram de 19,2 mil milhões de coroas suecas contra os 19,6 mil milhões previstos pela consulta da Reuters. JÁ o início do novo ano financeiro da H&M foi complicado. As dificuldades surgiram logo no período de Natal, uma época-chave para o retalho, que, no entanto, verificou um abrandamento no consumo. Na Alemanha, o maior mercado da H&M, as vendas de vestuÁrio caíram 7% em Dezembro. No segundo maior mercado, a Grã-Bretanha, a quebra das vendas comparÁveis na Marks&Spencer pesaram no sector e na Suécia, as vendas de vestuÁrio caíram 2,9%. Apesar disso, a H&M revelou que as suas vendas até 29 de Janeiro aumentaram 16%. Segundo os analistas, a empresa deverÁ ter melhores resultados do que as suas rivais, tendo em conta a sua abrangência geogrÁfica e a sua prospecção de mercados em rÁpido crescimento. A H&M, a maior empresa sueca em termos de capitalização de mercado, revelou que irÁ abrir 190 lojas neste ano fiscal, de Dezembro a Novembro, o que significa um aumento face às 177 lojas do ano passado. Acrescentou ainda que a muito aguardada abertura na Rússia irÁ acontecer em Moscovo em 2009 e que novas lojas irão abrir no Egipto, ArÁbia Saudita, Bahrain e Omã sob um acordo de franchise. A cadeia de retalho tinha jÁ revelado anteriormente a abertura de uma loja no Japão, para Setembro do corrente ano.