AMSilk tem menos impacto no ambiente

A fibra de proteína à base de seda de aranha, que estará em exposição pela primeira vez na Première Vision, tem credenciais ecológicas melhores do que a seda convencional, segundo os dados fornecidos pela empresa-mãe com base numa avaliação do ciclo de vida.

[©AMSilk]

Menos 92% de uso da terra e 97% de redução de água são alguns dos dados que resultaram de uma avaliação do ciclo de vida (LCA) independente “Cradle-to-Gate” promovido pela AMSilk GmbH à sua fibra ultrafina, produzida a partir de proteína de seda de aranha, em comparação com a seda convencional.

O estudo, realizado pela consultora de sustentabilidade ambiental Quantis, teve em conta cinco indicadores ambientais – alterações climáticas, uso do solo e da água, acidificação e eutrofização da água doce – e concluiu que a fibra AMSilk Ultrafine apresenta um impacto ambiental significativamente menor em todos os indicadores avaliados: 81% menos impacto nas alterações climáticas; 90% menor acidificação; 73% menor eutrofização de água doce; menos 92% de utilização do solo: e redução de 97% do uso de água.

Os resultados, refere a empresa, demonstram que a AMSilk Ultrafine Fiber tem uma pegada ambiental mais favorável em comparação com a seda convencional, graças à sua produção de base bio que evita os processos intensivos em recursos naturais associados à criação de bichos-da-seda e à colheita de casulos.

Além disso, uma análise independente realizada pelo Instituto Fresenius indicou que os têxteis da AMSilk são biodegradáveis de acordo com a OCDE 301B, apresentando uma degradação 60% superior em apenas oito dias e 84% em 28 dias. Este resultado é significativamente melhor do que o valor de referência de 10 dias, embora o material mantenha a sua durabilidade no uso diário.

«Estes números reforçam as características de desempenho ambiental do nosso material, além das suas várias propriedades de elevada performance. As nossas fibras e fios de bioengenharia removem as limitações dos materiais existentes e oferecem às marcas oportunidades inimagináveis de se reinventarem, ao mesmo tempo em que reduzem a sua pegada de carbono, destaca Ulrich Scherbel, CEO da AMSilk.

A partir de amanhã, a AMSilk fará a sua estreia na Première Vision Paris, que se realizar até 4 de julho. «A Première Vision é a maior feira têxtil da Europa e funciona como uma plataforma de lançamento para empresas e inovadores que tentam moldar o futuro da indústria têxtil. Esta é uma oportunidade fantástica para contribuirmos para o debate e exibir os nossos biomateriais avançados, feitos de proteínas à base de seda de aranha, que são líderes na indústria», destaca Benoit Cugnet, diretor do negócio de fibras da AMSilk.