Americanos apelam a fim de detenções de trabalhadores no Bangladesh

A American Apparel & Footwear Association pediu ao governo e à associação de produtores e exportadores de vestuário do Bangladesh para porem fim às ameaças e detenções de trabalhadores da indústria que protestaram por melhores salários.

©Clean Clothes Campaign]

Numa carta dirigida ao governo do país asiático e à BGMEA – Associação de Produtores e Exportadores de Vestuário do Bangladesh, o presidente e CEO da AAFA – American Apparel & Footwear Association, Stephen Lamar sublinha «os pedidos sucessivos para pôr fim às detenções em curso, e ameaças de prisão, a milhares de trabalhadores por causa dos protestos relacionados com o salário mínimo no outono de 2023».

Stephen Lamar expressou profunda preocupação sobre a situação atual relativa à detenção de trabalhadores e à apresentação de acusações criminais contra organizadores sindicais, como Jewel Miya, que defendia salários mais elevados.

Destacando a importância do Bangladesh enquanto terceiro principal fornecedor de vestuário a nível mundial e um fornecedor emergente de calçado e artigos de viagem para os EUA, a AAFA sublinhou a relação favorável entre os dois países, que «trouxe a ambos prosperidade, crescimento económico e um espírito de colaboração».

A AAFA, que, sublinha a carta, tem mais de 1.000 marcas de renome sob a sua égide e dá uma contribuição significativa para a economia dos EUA, tendo uma «voz política» na defesa da indústria do vestuário e do calçado, apela a que a BGMEA e os seus membros retirem as acusações sobre os trabalhadores «para eliminar quaisquer ameaças adicionais de detenção contra milhares de trabalhadores e evitar o assédio futuro de trabalhadores envolvidos em protestos pelo salário mínimo». Além disso, Stephen Lamar pede à associação que solicite ao governo do país que «investigue, e puna, os que foram responsáveis pela violência que levou à morte e ferimento de trabalhadores durante os protestos», fazendo o mesmo pedido a Sheikh Hasina, Primeira-Ministra do país.

Os protestos dos trabalhadores do sector do vestuário do Bangladesh em novembro de 2023 por causa do salário mínimo resultaram na morte de pelo menos quatro trabalhadores. Depois de meses de manifestações, um painel de revisão salarial decidiu um aumento de 56,25% do salário mínimo para os trabalhadores da indústria têxtil e do vestuário do país, para 12.500 taka, equivalente a cerca de 105 euros.