Amanhã é assinada petição ao Governo sobre a liberalização

A ATP (Associação Têxtil e Vestuário de Portugal) vai realizar amanhã, dia 22 de Dezembro, pelas 11h30, na sua sede no Porto, uma reunião, durante a qual será assinada uma petição ao Governo sobre a Liberalização do Comércio Têxtil e Vestuário Mundial, seguida de conferência de imprensa.

 

A petição vai apelar à necessidade de se tomar medidas de defesa para o sector têxtil, vestuário e calçado, quando estamos a menos de duas semanas da liberalização total do comércio internacional. Tem como objectivo alertar o Executivo português para as graves consequências desta mesma liberalização e para a crescente hegemonia da China no negócio. Será assinada pelas Associações Sectoriais do Têxtil, Vestuário e Calçado e pelos seus Sindicatos, nomeadamente a ATP, que lançou a iniciativa, a APICCAPS (Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes e Artigos de Pele e seus Sucedâneos), a AICR (Associação dos Industriais de Cordoaria e Redes), a ANIVEC/APIV (Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confecção), a ANIL (Associação Nacional dos Industriais de Lanifícios), a ANIT-Lar (Associação Nacional das Indústrias de Têxteis-Lar), a FESETE (Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal) e SINDETEX (Sindicato Democrático dos Têxteis).

Os signatários consideram que, com a entrada da China na Organização Mundial de Comércio (OMC), a questão da liberalização assume proporções mais graves, uma vez que se assistiu ao aumento das exportações chinesas para a União Europeia de forma exponencial.

As entidades pedem ao Estado português que, em colaboração com a Comissão Europeia, garanta medidas efectivas de protecção da indústria ainda antes de 1 de Janeiro, como a adopção de medidas de salvaguarda.