Acordo de livre comércio une países da ex-Jugoslávia

Croácia, Bósnia Herzegovina, Sérvia Montenegro, Kosovo, Albânia, Macedónia e Moldávia deverão concretizar um acordo único de livre comércio até ao fim de 2007. No âmbito deste acordo, todos os produtos fabricados nestes países serão transaccionados ao abrigo de iguais condições comerciais. Enquanto que alguns políticos continuam a argumentar sobre as razões que estão na base da separação da extinta Jugoslávia, a economia tem a sua própria resposta: a Jugoslávia separou-se quando ocorreu a separação do mercado comum em 1989, ano em que o governo Sérvio promulgou o boicote às mercadorias com origem na Eslovénia. A União Europeia está a prever que até ao final de 2007, o mercado único composto pelos antigos territórios da antiga Jugoslávia (com a excepção da Eslovénia, e incluindo ainda a Albânia e a Moldávia) deverá começar a funcionar. A Roménia e a Bulgária foram também incluídas, mas no final de 2007 estes países devem integrar a União Europeia. União Europeia em miniatura Na cidade de Bucareste no dia 4 de Abril, os presidentes dos nove países do Sudeste da Europa e representantes da UNMIK (United Nations Interim Administration Mission in Kosovo) iniciaram o acordo que inclui a formação de um mercado comum. Este acordo deverá ser assinado até ao final de 2006, entrando em vigor no primeiro dia de 2007. No entanto, a Bulgária e a Roménia deverão tornar-se membros da UE, pelo que a nova zona de livre comércio passará a abranger os territórios da antiga Jugoslávia (com a excepção da Eslovénia) mais a Albânia e a Moldávia. Este acordo implica a extinção de todas as taxas alfandegárias. Por conseguinte, todos os produtos fabricados em qualquer dos países desta zona serão comercializados ao abrigo das mesmas condições dentro desta zona. E, o que é ainda mais importante, existirá livre movimentação de mão-de-obra e de produtos.