Abrandamento no comércio externo espanhol

A situação dos principais mercados têxteis mundiais afectou de forma intensa as exportações do sector, provocando a paralisação das mesmas. As exportações de artigos de vestuário são as únicas que mantêm um certo dinamismo mesmo que inferior ao ano passado. Há ainda a destacar a redução das compras europeias (-1,2 por cento), com especial incidência em Itália, França e Bélgica. Ao contrário, as vendas a países de fora da União Europeia alcançaram um resultado positivo (mais de 3,5 por cento), com crescimentos importantes em mercados como o México e o Norte de África. Po seu lado, as importações reflectem também a situação do mercado espanhol com a queda das fibras e manufacturas têxteis (fiação e tecidos), mantendo as importações do produto final (vestuário e têxteis-lar). Assim, as importações aumentaram 1,3 por cento. A evolução das transações comerciais fez com que o défice exterior, em finais de Junho, tivesse aumentado ligeiramente. As perspectivas actuais estão muito ligadas ao calendário de recuperação da economia europeia que, ao que parece, será lenta, não se podendo esperar uma alteração das condições do mercado, a não ser no ano 2003. As preocupações dos empresários centram-se no diferencial da inflação que existe na zona euro e na evolução da moeda, que pode enfrentar a actividade exportadora extra-Europa.