Abercrombie & Fitch soma vendas

A retalhista americana superou as suas próprias expectativas e reportou um aumento de 20% das vendas no terceiro trimestre, impulsionado pela procura da sua marca epónima Abercrombie.

[©Abercrombie & Fitch]

Apesar da incerteza do mercado, a Abercrombie & Fitch aumentou as vendas no período terminado a 28 de outubro para 1,1 mil milhões de dólares (cerca de mil milhões de euros), o que significa uma subida de 20% face ao mesmo trimestre do ano passado, equivalente a um crescimento de 19% a câmbios constantes. Em termos comparáveis, as vendas aumentaram 16%.

Por marca, a Abercrombie sentiu um maior crescimento, com vendas superiores em 30%, para 547,7 milhões de dólares, enquanto a Hollister aumentou o volume de transações em 11%, para 508,7 milhões de dólares.

Já por região, as vendas nas Américas cresceram 22%, para 867,6 milhões de dólares, as da EMEA (Europa, Médio Oriente e África) subiram 14%, para 158 milhões de dólares, e na Ásia-Pacífico o aumento foi de 13% (que ascende a 32% em termos comparáveis), para 30,9 milhões de dólares.

O lucro operacional também subiu, de 18 milhões de dólares no mesmo trimestre de 2022 para 138 milhões de dólares, enquanto o lucro líquido somou 97,8 milhões de dólares, em comparação com o prejuízo de 718 milhões de dólares registado no período homólogo do ano passado.

«Os nossos fortes resultados no terceiro trimestre, com as vendas e as margens operacionais a ultrapassarem bastante as nossas expectativas, dizem muito sobre o poder da nossa estratégia de trabalhar globalmente o nosso portefólio de marcas», acredita Fran Horowitz, CEO da Abercrombie & Fitch.

Para o último trimestre do ano fiscal, a retalhista espera um aumento das vendas a dois dígitos baixos em comparação com 1,2 mil milhões de dólares registados em igual período de 2022, enquanto para o ano completo a expectativa é de um crescimento de 12% a 14% das vendas.

«Ao entrar na importante época de festas, os nossos resultados para o ano fiscal 2023 até à data dão-nos confiança de que podemos continuar a responder aos nossos consumidores e a gerar crescimento rentável. Como tal, estamos a aumentar as nossas previsões para o ano completo tanto para o crescimento das vendas como das margens operacionais», resumiu Fran Horowitz.