A. Sampaio mantém aposta na inovação

A par com os investimentos na sustentabilidade e na preparação para a legislação europeia que se adivinha no curto prazo, a empresa tem procurado desenvolver novos artigos, nomeadamente nos têxteis técnicos, para continuar a crescer.

João Mendes

Na mais recente edição da Techtextil, a A. Sampaio destacou uma panóplia de artigos centrados nas necessidades de proteção e segurança das forças militares, policiais e indústria. «São malhas retardantes de chama, com proteção eletrostática, de alta visibilidade e combinações dessas características, além de produtos com alta resistência à abrasão ou de isolamento térmico», enumera João Mendes, administrador da empresa.

Embora não tenha sido uma novidade absoluta, as soluções com lã foram um dos atrativos. «Já tínhamos apresentado na feira anterior, mas as pessoas não prestaram muita atenção e agora começaram a interessar-se por estas malhas retardantes de chama com misturas com lã, laváveis na máquina, que combinam o isolamento térmico e as características da lã com o retardante de chama. Era algo que já estávamos a apresentar, mas agora temos mais algumas propostas, com uma oferta mais completa, e os clientes estão a olhar para isso como se fosse novo. Se calhar agora têm essa necessidade e na altura não tinham», justifica.

Esta área de proteção tem um forte potencial de crescimento, acredita João Mendes. «Se tivermos entre 15% a 20% do negócio, para nós está bem», aponta. No entanto, a empresa mantém o foco em um crescimento equilibrado, evitando a dependência excessiva de um único segmento. «Queremos que os outros se mantenham fortes e não acredito que este, no médio prazo, ultrapasse muito este valor», acrescenta.

Com três áreas de atuação – moda, têxteis técnicos e desporto –, a A. Sampaio continua a investir em inovação e sustentabilidade, com novos equipamentos produtivos, aumento da capacidade de testes e digitalização de processos. «Estamos sempre a inovar», garante o administrador da A. Sampaio. «Temos investido em muitas máquinas diferentes», revela, dando conta da aquisição de novas tecnologias para a produção de malhas de dupla face, jogos finos para malhas com elastano tipo compressão, assim como em jogos muito grossos. «Fizemos grandes avanços na nossa capacidade de teste e em tecnologias de produção», resume.

A empresa está ainda empenhada na eficiência energética, tendo recentemente implementado uma segunda fase de painéis solares, e está igualmente a trabalhar na reciclagem de desperdícios, tendo estabelecido parcerias para maximizar a reutilização de materiais. «Já reciclamos os nossos próprios desperdícios. Atualmente ajudamos também os nossos clientes, por exemplo, as confeções, a reciclar os seus desperdícios e fazer novos produtos com isso», revela.

Além disso, «participamos em vários projetos de circularidade e rastreabilidade. Estamos preparados para os requisitos futuros de sustentabilidade, monitorizando os nossos processos de perto», revela.

No curto prazo, «a principal preocupação é como a legislação sobre o passaporte digital e rastreabilidade será concretizada», assinala. Ainda assim, acredita João Mendes, «isso pode ser uma oportunidade, pois estamos preparados e acreditamos que nossos processos e produtos estão alinhados com os melhores padrões de sustentabilidade».

Depois de um ano de 2023 que «não foi tão forte como 2022 a nível da faturação», 2024 não deverá ser «um ano muito fácil», antecipa João Mendes.

A empresa, que emprega 190 pessoas, continua, contudo, empenhada no crescimento e na inovação, continuando a fazer investimentos para responder às novas exigências. «Investimos em contraciclo, pois acreditamos que as dificuldades do mercado são oportunidades para quem está preparado», conclui o administrador da A. Sampaio.