A Alta-costura portuguesa em Paris

Esta é já a segunda vez que o Portugal Fashion leva a moda portuguesa à Semana de Alta-Costura de Paris. Filipe Oliveira Baptista repete a presença junto com os estreantes Storytailors. A viver em Paris, o jovem açoriano Felipe Oliveira Baptista e a dupla de criadores Storytailors apresentaram no dia 23 de Janeiro no Palais de la Découvert e no Salon Erard, respectivamente, as suas colecções de alta-costura. Felipe Oliveira Baptista apresentou propostas para o Outono/Inverno 2006 sob o tema Perigo, Protecção, Explosão e Fragilidade produzindo uma silhueta que contorna o corpo ligeiramente em “A”. As armaduras e os detalhes militares estão presentes trabalhados em tecidos que vão desde a lã, a pesados algodões algodões stretch, seda “dupla face”, musselinas de seda, cetim de seda, jersey de cachemira, jersey de seda, polyester “laque”, veludos e lantejoulas metálicas bordadas à mão. No que se refere às cores, vão do preto ao bege dourado, passando pelo azul-escuro, castanho “chocolate preto”, azul petróleo e creme. Quanto aos Storytailors, seguem a sua habitual criação de histórias. Desta vez, a colecção Primavera/Verão 2006 relata o desfecho da história de Júlia e o Touro Azul, mostrando como a Júlia, a par do desenrolar da história, destacam-se detalhes como o das construções que derivam de espartilhos, a silhueta esculpida, ou ainda os cortes e as formas orgânicas. No universo das cores, a predominância de azuis vai evoluindo para vermelhos e metalizados. Os materiais conjugam-se entre si, desde o cetim de seda ao tafetá com alumínio, passando pelo chiffon de seda, o pongé de seda e os jacquards de seda. A presença dos jovens estilistas em Paris deve-se, como habitual, à ANJE – Associação Nacional de Jovens Empresários – em parceria com a Associação Têxtil e Vestuário de Portugal – ATP – e o ICEP, pretendendo conferir à moda nacional a visibilidade que merece e necessita. De acordo com informações veiculadas na imprensa, o investimento total deste projecto terá sido de 420 mil euros, tendo 75 por cento deste valor sido financiado pelo programa PRIME e os restantes 25 por cento pela ANJE, ATP e ICEP.